27 fev

A importância do deadline e o desafio de atender a imprensa

A importância do deadline e o desafio de atender a imprensa

A assessoria de imprensa é uma das principais ferramentas de comunicação para estreitar o relacionamento entre cliente, imprensa e público. Para que o trabalho seja efetivo é muito importante a participação integrada de todos os departamentos identificando conteúdos relevantes para serem transformados em notícia e apontando os melhores caminhos para  ampliar o interesse pela cobertura de determinados assuntos.

Para que a relação entre assessor e jornalista aconteça naturalmente, o envio de matérias e entrevistas deve obedecer aos prazos das redações e às pautas definidas e o conteúdo deve ser claro e assertivo.

A entrevista é marcada dentro do deadline de fechamento da publicação. Porém, muitas das vezes acontece do porta-voz colocar diversas outras prioridades à frente do relacionamento com a imprensa, forçando a assessoria a renegociar prazos, o que resulta em certo desconforto com o veículo. Claro que imprevistos podem acontecer. Às vezes será necessário pedir compreensão do jornalista e solicitar um tempinho a mais, mas não pode ser rotineiro. Esse “hábito” pode atrapalhar a demanda, além de ser péssimo para a reputação tanto do assessor quanto do assessorado.

O cliente precisa ter em mente que o deadline não depende apenas do jornalista. Existe um calendário, um planejamento a ser seguido e o não cumprimento acaba interferindo na produtividade de todos os envolvidos. Por isso, muitas das vezes quando o assessor cobra o cliente incansavelmente, não é porque ele está supervalorizando o relacionamento com o veículo, mas tem uma demanda que precisa ser cumprida.

Portanto, seja compreensivo com o prazo estabelecido pelo jornalista. Ao aceitar ser fonte, conceder a entrevista, esteja pronto no horário combinado e sempre avise se houver algum imprevisto que realmente impeça o atendimento naquele momento.  Assim o jornalista pode se organizar e a relação não ficar tão estremecida. Tenha sempre um plano B, indique um segundo porta-voz que esteja preparado para cobrir o lugar sem deixar a desejar.

 

Por Cassiene Alves